Ciência  SãO PAULO 24/06/2011
CIência

A institucionalização da pesquisa e o sistema nacional de CT&I no Brasil

A história da institucionalização da ciência brasileira tem início com o CNPq e a Capes. Enquanto o CNPq se incumbe de fomentar a pesquisa, a Capes é responsável por dar apoio à formação de competências para colocar o trabalho em prática.

Gerar riqueza a partir do conhecimento científico é um dos maiores desafios para o desenvolvimento de países emergentes, como é o caso do Brasil, que começou a investir de maneira mais institucionalizada e maciça em pesquisa científica no período do pós-guerra, com a criação de duas importantes instituições, em 1951: o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq, nomeado, inicialmente, de Conselho Nacional de Pesquisa) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), cujas atuações se complementam até os dias atuais e são primordiais para a organização da atividade científica no país. No entanto, somente essas duas instituições não seriam capazes de levar o país ao desenvolvimento tecnológico já alcançado. Um ministério voltado ao tema, universidades, centros de pesquisa e fundações de amparo à pesquisa no nível estadual complementam o sistema responsável pelas ações relacionadas à CT&I no Brasil.

O (importante) papel das fundações de amparo à pesquisa.
1.876 palavras
1 Imagens
Ciência  SãO PAULO 24/06/2011
Ciência

Desafios e estratégias para a cooperação internacional em pesquisa no Brasil e as FAPs

A produção de ciência de maior qualidade requer a colaboração entre os cientistas mais capazes e, por isso, em muitos casos, é importante ultrapassar as fronteiras nacionais.

Um dos mais importantes desafios para a ciência brasileira nesta segunda década do século XXI é o de buscar maior impacto mundial para o conhecimento criado no país. A produção de ciência de maior qualidade requer a colaboração entre os cientistas mais capazes e, por isso, em muitos casos, é importante ultrapassar as fronteiras nacionais.

Impacto da produção científica do Brasil e de alguns outros países para os artigos publicados em 1981, 1991, 2001, 2006 e 2009.(Fonte: Thomson Reuters InCites 2009).
1.398 palavras
1 Imagens
Ciência  SãO PAULO 22/06/2011
Ciência

Por que as fundações estaduais de apoio à pesquisa investem em comunicação

A despeito de tamanha importância que essas instituições têm para o país, elas ainda são ilustres desconhecidas para boa parte da população brasileira. Essa situação tem mudado aos poucos, graças aos investimentos que as FAPs têm feito na áre

No último dia 31 de março, o Tocantins foi a 25ª unidade da federação a criar uma fundação dedicada a financiar pesquisas científicas. Lançado em 1960, com a criação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), esse modelo institucional mostrou-se importante impulsionador do desenvolvimento econômico e científico, bem como uma valiosa ferramenta de gestão estratégica dos estados. Não por acaso, com exceção de Rondônia e Roraima, todos os estados brasileiros agora contam com uma fundação estadual de amparo à pesquisa (FAP).

 
827 palavras
Ciência  SãO PAULO 21/06/2011
Ciência

Núcleo apoia atuação de agências de fomento à inovação em MG

O Núcleo de Estudos em Ciência Tecnologia e Inovação - NCiTI tem como missão consolidar o estado de Minas Gerais como um polo de referência em avaliação de políticas públicas e gestão de programas de ciência, tecnologia e inovação.

O Núcleo de Estudos em Ciência Tecnologia e Inovação - NCiTI tem como missão consolidar o estado de Minas Gerais como um polo de referência em avaliação de políticas públicas e gestão de programas de ciência, tecnologia e inovação.

Projetos por área.
850 palavras
1 Imagens
Ciência  SãO PAULO 20/06/2011
Ciência

Quanto vale o investimento em ciência, tecnologia e inovação?

Agências de fomento, empresas, secretarias estaduais e ministérios compilam indicadores de esforço que tendem a ser mais comparáveis aqui e lá fora. Isto é bom porque antes não havia indicadores que permitissem aquilatar o esforço em pesquisa e in

“Investimos 5% do faturamento em pesquisa e desenvolvimento”; “aplicamos 1% da receita fiscal do estado em ciência e tecnologia”; “o país investe 1% de seu PIB em C&T”... Estas métricas são cada vez mais comuns e mais conhecidas no mundo da pesquisa científica e da inovação tecnológica, assim como no mundo da burocracia, do planejamento e das políticas públicas de CT&I.

Un investigador en un laboratorio del IBGM.
1.561 palavras
1 Imagens
Ciência  SãO PAULO 06/06/2011
Ciência e Tecnologia

Escócia usará correntes marítimas para gerar eletricidade

A produção de energia elétrica por aproveitamento das correntes marítimas, que mais parecia um sonho futurista, começa a se tornar realidade.

A produção de energia elétrica por aproveitamento das correntes marítimas, que mais parecia um sonho futurista, começa a se tornar realidade. As águas em movimento no mar têm energia cinética que pode ser capturada por turbinas semelhantes às turbinas eólicas e transformada em energia elétrica.
 

Las mareas o las olas son una fuente de energía renovable aún poco explotada.
509 palavras
1 Imagens
Ciência  MATO GROSSO 01/06/2011

Publican un libro sobre El Pantanal, su ecología, biodiversidad y manejo sostenible

El nuevo documento es el producto de 20 años de colaboración entre científicos brasileños y alemanes

Un grupo de 68 especialistas en la ecología y biodiversidad del humedal más grande del mundo, han colaborado en la publicación del libro The Pantanal (El Pantanal), un documento cuyo objetivo es servir de guía científica y de campo a ecólogos y silvicultores, además de a estudiantes que trabajan en el área o en otras regiones del mundo con características similares. De acuerdo con los editores del libro, publicado en inglés por la editorial Pensoft, su propósito también es brindar información sólida que pueda ser utilizada para la conservación y el manejo sostenible de esta llanura aluvial ubicada en el corazón de América del Sur. 

Portada del libro El Pantanal.
638 palavras
1 Imagens
Ciência  SãO PAULO 30/05/2011
Economia

Inflação em alta no mundo todo acende o sinal de alerta

Pelo menos duas vezes, em abril, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, declarou que o mundo está passando por um surto inflacionário.

Pelo menos duas vezes, em abril, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, declarou que o mundo está passando por um surto inflacionário. No último dia 26, por exemplo, disse isso para justificar que o Brasil “não está mal na foto”, quando comentou o aumento da inflação no país, que atingiu em março 6,3% no acumulado de doze meses. Antes disso, em 18 de abril, Mantega já havia avaliado que o atual cenário econômico mundial tem sido afetado pela alta no preço de commodities como petróleo, minérios, milho e soja.

 
1.449 palavras
Ciência  SãO PAULO 25/05/2011
Economia

O panorama da inflação nos anos 80 e as medidas adotadas pelos diferentes governos

O período histórico pós-ditadura do Brasil tem muito a nos ensinar a esse respeito, não apenas no que concerne às tentativas de controle e consolidação da economia, mas principalmente em relação à experiência e maturidade alcançadas.

A política econômica de um país representa muito mais do que o conjunto de medidas elaboradas para sanar picos de crises remanescentes de processos históricos e iniciativas mal planejadas e mal sucedidas. Mesmo que não tenha um reflexo imediato, pode delinear o comportamento de uma sociedade. O período histórico pós-ditadura do Brasil tem muito a nos ensinar a esse respeito, não apenas no que concerne às tentativas de controle e consolidação da economia, mas principalmente em relação à experiência e maturidade alcançadas. E como dizem os especialistas, as medidas acabaram por promover o controle da inflação para valores aceitáveis no contexto econômico moderno.

 
1.805 palavras
Ciência  SãO PAULO 25/05/2011
Economia

Excêntrica sabedoria

As ideias de um economista polêmico, premiado e requisitado estão no cerne deste documentário baseado em um best seller.

Quando o jovem produtor independente de cinema Chad Troutwine leu o best-seller Freakonomics, lançado em 2005 pelo economista Steven Levitt, da Universidade de Chicago, e pelo jornalista Stephen Dubner, da The New York Times Magazine, pensou: “Isso daria um filme!”. Assim como já havia feito na produção de Paris, je t’aime, premiado no festival de Cannes de 2006, quando contou com vários diretores, como os irmãos Joel e Ethan Coel, o francês Gérard Depardieu e o brasileiro Walter Salles, decidiu reunir um time de documentaristas para as filmagens de Freakonomics, the movie. Convidou, entre outros, Morgan Spurlock, indicado para o Oscar de melhor documentário de longa-metragem por Super size me (2004), e Alex Gibney, premiado com a estatueta nessa categoria, em 2007, por Taxi to the dark side. O resultado, lançado em 2010, é um filme dinâmico, dividido em episódios curtos e longos, que flerta com as linguagens da publicidade, do jornalismo e da ficção e que busca manter o estilo atrativo que o jornalista Dubner deu às inusitadas ideias do economista Levitt.

1.346 palavras
1 Imagens
Ciência  SãO PAULO 24/05/2011
Economia

Câmbio, juros, tributos e a difícil arte de domar o dragão

O início de 2011 trouxe um grande e complexo desafio para o Banco Central brasileiro: desenvolver uma política econômica sofisticada, capaz de manter o ritmo de crescimento do país e diminuir os impactos da atual escalada mundial de preços, principal

O início de 2011 trouxe um grande e complexo desafio para o Banco Central brasileiro: desenvolver uma política econômica sofisticada, capaz de manter o ritmo de crescimento do país e diminuir os impactos da atual escalada mundial de preços, principalmente, dos alimentos. Segundo informe do Banco Central, o comportamento dos preços das commodities no exterior deslocou a inflação brasileira em 2,5% nos últimos meses, afastando-a do centro da meta.

 
1.078 palavras
Ciência  SãO PAULO 24/05/2011
Economia

Qual é o problema com os impostos no Brasil?

Os impostos, são a origem dos recursos que permitem que o Estado forneça esses serviços indispensáveis para a vida em sociedade.

Pagar impostos é uma coisa que não deixa ninguém feliz, no Brasil ou em qualquer parte do planeta. Claro, instintivamente tendemos a pensar que um dinheiro que já “era nosso”, ganho com nosso suor, nossa competência ou nossa esperteza, subitamente é tirado de nós.

 
2.108 palavras
Ciência  SãO PAULO 23/05/2011
Economia

O bestiário do imposto e da inflação

O Estado zela por nós, nós, zelados, trabalhamos para o Estado, o que aumenta o seu zelo para garantir nossas obrigações tributárias.

Vivemos em um país no qual os que pagam impostos trabalham 5 meses por ano para pagá-los e os outros 7 meses para reunir condições para continuar pagando-os nos anos subsequentes. De certa forma, vivemos também para pagar impostos. O que não é pouco, já que quase metade do tempo de nossa vida cidadã é dedicada a cumprir o ritual dessa dedicação. Em outras palavras, o Estado zela por nós, nós, zelados, trabalhamos para o Estado, o que aumenta o seu zelo para garantir nossas obrigações tributárias.

 
445 palavras
1 Imagens
Ciência  SãO PAULO 20/05/2011
Economia

A força dos países emergentes na economia mundial

O potencial econômico desses países pode transformá-los nas quatro economias dominantes do mundo, até 2050.

Em 2001, o economista Jim O´Neil, chefe de pesquisa em economia global do grupo financeiro Goldman Sachs, realizou o estudo “Building Better Global Economic Brics” (“Construindo uma melhor economomia global Brics”, em tradução livre), em que se destacaram os países que compõem o bloco (Brasil, Rússia, Índia, China e, desde meados de abril, também a África do Sul), devido ao papel de destaque que apresentam no cenário mundial, por conta do rápido desenvolvimento de suas economias. De acordo com a pesquisa, o potencial econômico desses países pode transformá-los nas quatro economias dominantes do mundo, até 2050 (a avaliação foi feita antes do ingresso da África do Sul no bloco).

 
1.679 palavras
Ciência  SãO PAULO 20/05/2011
Economia

Fabrício Augusto de Oliveira

O economista fala sobre inflação e impostos, temas que preocupam os brasileiros, seja qual for sua renda, e aponta caminhos para ações do governo.

Fabrício Augusto de Oliveira é doutor em economia pela Universidade Estadual de Campinas, onde foi professor até 1998. Também lecionou na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, na Universidade Federal de Minas Gerais e na Universidade Federal do Espírito Santo e foi secretário adjunto-geral da Secretaria da Fazenda de Minas Gerais no governo Itamar Franco, em 1999. Publicou vários livros sobre economia brasileira e finanças públicas. É também autor de vários artigos publicados em revistas nacionais e internacionais dessas áreas. Nesta entrevista, o atual professor da Escola de Governo da Fundação João Pinheiro, de Belo Horizonte (MG), e consultor na área de economia do setor público para órgãos nacionais e internacionais, expõe suas impressões sobre o processo inflacionário que volta a preocupar o governo e cidadãos brasileiros, que ainda trazem na memória o período de hiperinflação da década de 1980. Ele comenta também como a política fiscal adotada no Brasil atinge os diferentes setores e classes sociais, comparando-a com a de outros países que têm características semelhantes às do Brasil.

fabricioaugustodeoliveira
1.821 palavras
1 Imagens
Ciência  SãO PAULO 19/05/2011
Economia

Embora necessária, reforma tributária ainda está distante do consenso

Ainda que a necessidade de uma revisão geral no sistema tributário brasileiro seja reconhecida por praticamente todos os segmentos da sociedade, a tramitação no Congresso Nacional e as discussões sobre elas, não permitem um consenso para sua aprova

Entra governo, sai governo, e a questão da reforma tributária no Brasil permanece interminável. Os debates são intensos, o processo longo, e os resultados, nem sempre efetivos. Ainda que a necessidade de uma revisão geral no sistema tributário brasileiro seja reconhecida por praticamente todos os segmentos da sociedade, a tramitação no Congresso Nacional e as discussões sobre elas, no entanto, não permitem vislumbrar no horizonte um consenso para sua aprovação.

 
2.628 palavras
Ciência  SãO PAULO 19/05/2011
Economia

Taxa de câmbio e desenvolvimento econômico no Brasil pós-crise

Diante da sua importância inconteste, o conflito de ideias acerca da taxa de câmbio gira em torno da instituição responsável por manobrar sua trajetória: o Estado ou o mercado.

O câmbio é um dos temas mais espinhosos da economia. Consensualmente, ele é uma variável chave que tem impacto determinante na relação entre os preços domésticos e os preços externos e, por consequência, na distribuição de renda, na estrutura produtiva, na estrutura de emprego, na inflação, nos padrões de consumo, no crédito, nas estruturas de ativos e passivos privados, na dívida pública e nas contas externas de uma economia. Diante da sua importância inconteste, o conflito de ideias acerca da taxa de câmbio gira em torno da instituição responsável por manobrar sua trajetória: o Estado ou o mercado. Para alguns, ele deve ser usado como instrumento político para promover desenvolvimento econômico, sendo manejado pelo Estado. Para outros, ele deve ser uma variável isenta da interferência do Estado e levado à situação de equilíbrio pelas forças de mercado.

 
1.079 palavras
Ciência  SãO PAULO 18/05/2011
Economia

Os limites das metas de inflação

Hoje há quase unanimidade no repúdio à ideia de que bastava, em um ambiente de desregulamentação financeira, assegurar a estabilidade monetária, mediante a utilização de um regime de metas de inflação.

Há alguns anos, o pensamento compacto e invulnerável a contraditório conferia conforto às certezas a respeito das políticas “corretas”. Hoje há quase unanimidade no repúdio à ideia de que bastava, em um ambiente de desregulamentação financeira, assegurar a estabilidade monetária, mediante a utilização de um regime de metas de inflação.

 
771 palavras
Ciência  MATO GROSSO 18/05/2011

El pastoreo rotatorio sirve como herramienta de conservación en El Pantanal y Cerrado

Una técnica rutinaria de desplazamiento cíclico del ganado produce animales con mayor valor económico y mantiene a los ganaderos alejados del bosque

La práctica del pastoreo rotatorio, una técnica que consiste en permitir al ganado pacer en espacios pequeños por un periodo de tiempo determinado antes de trasladarlo a otro potrero, ha resultado eficaz para permitir la recuperación de especies de pasto nativas y frenar la deforestación en las regiones brasileñas del Pantanal y Cerrado. De acuerdo a un estudio liderado por investigadores de la Sociedad para la Conservación de la Vida Silvestre (WCS), la técnica no solo ha demostrado ser una valiosa herramienta de conservación, sino que además mejora la salud del ganado y aumenta su productividad.

Reses en la región de Pantanal durante el estudio sobre las ventajas del pastoreo rotatorio. (Foto: Wildlife Conservation Society)
634 palavras
1 Imagens
Ciência  SãO PAULO 13/05/2011
Saúde e Medicina

O pesquisador Claudio Banzato comenta a iniciativa de levantar informações sobre o uso e a percepção dos sistemas CID e DSM

Fala ainda da expectativa acerca das revisões desses manuais

Professor da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Cláudio Banzato realizou um levantamento postal anônimo com psiquiatras brasileiros afiliados à Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), selecionados de modo aleatório. O estudo, intitulado “O que os psiquiatras brasileiros esperam das classificações diagnósticas”, examinou o uso e a percepção em termos de utilidade clínica dos sistemas diagnósticos multiaxiais CID-10 e DSM-IV e, ainda, as expectativas que esses profissionais nutrem a respeito das próximas revisões. Em decorrência desse estudo Banzato foi um dos pesquisadores responsáveis pelo trabalho “An International Study of the views of psychiatrists on present and preferred characteristics of classifications of Psychiatric Disorders” (traduzindo, “Um estudo internacional das visões dos psiquiatras acerca das características presentes e preferenciais das classificações dos transtornos psiquiátricos”), que compara as respostas dos profissionais brasileiros, obtidas no levantamento, com as dos psiquiatras da Nova Zelândia e do Japão. Na opinião do pesquisador, muito se espera das novas classificações diagnósticas e, talvez, demasiadamente. Entretanto, ele frisa que a redução de categorias de diagnósticos é desejada tanto pelos psiquiatras brasileiros, quanto pelos japoneses e neozelandeses.

Dr. Claudio Banzato, psiquiatra da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Campinas, Brasil.
1.186 palavras
1 Imagens