Ciencia Brasil Campinas, São Paulo, Miércoles, 06 de abril de 2011 a las 18:12
Cultura científica

Percepção pública da saúde é tema de evento internacional em São Paulo, Brasil

Aberto ao público, o evento é parte das atividades de uma pesquisa voltada para dar subsídios a políticas públicas para o Sistema Único de Saúde (SUS)

Rodrigo Cunha/ComCiência/Labjor/DICYT - No dia 13 de abril, o Instituto de Saúde, ligado à Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo, recebe em seu auditório pesquisadores da Inglaterra, da Espanha e da Colômbia para debaterem com seus colegas brasileiros sobre percepção pública da ciência, em um primeiro momento, para, em seguida, focar a discussão em possibilidades de direcionamento das pesquisas para a temática da saúde. O I Seminário Internacional de Percepção Pública da Saúde, aberto ao público, é um evento preparatório para as atividades do workshop que acontece no dia seguinte, restrito aos convidados internacionais e aos pesquisadores que participam de uma pesquisa voltada para dar subsídios a políticas públicas para o Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Martin Bauer, da London School of Economics, irá falar sobre conceitos de percepção pública da ciência e da tecnologia e apresentará em suas palestras um panorama geral das pesquisas nessa área. Seu interesse pelos estudos sobre divulgação da ciência e sobre como ela é recebida pelo público vem do tempo em que ele fazia seu doutorado em psicologia social, quando trabalhou no Museu Britânico, tradicional instituição de pesquisa e de divulgação da ciência. Em uma de suas publicações, ele aborda a resistência do público em relação à biotecnologia e a um tema que voltou com toda força ao debate após o terremoto e o tsunami no Japão, a energia nuclear.

 

O professor do Instituto de Estudos para a Ciência e a Tecnologia da Universidade de Salamanca, Miguel Quintanilla, que também representa a Organização dos Estados Iberoamericanos e a Agência de Notícias para Divulgação de Ciência e Tecnologia (Dicyt), abordará em sua palestra a relação entre comunicação e políticas públicas. Quintanilla foi o idealizador da Empírika, uma enorme feira de ciências que aconteceu em Salamanca em 2010 e que se tornará um evento itinerante, com passagem pelo Brasil em 2012 (leia entrevista com Quintanilla).

 

A pesquisadora Sandra Daza Caicedo, do Observatório Colombiano de Ciência e Tecnologia, apresentará em sua palestra categorias de análise e desafios metodológicos nas pesquisas de percepção pública da ciência. No Observatório, ela é coordenadora da área voltada para indicadores de apropriação social da ciência e da tecnologia. Formada em economia, com especialização em estudos culturais, a pesquisadora tem realizado estudos sobre políticas e estratégias de comunicação e sobre apropriação pública de C&T na Colômbia.

 

José da Rocha Cavalheiro, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Faculdade de Medicina da USP, falará sobre o diferencial da comunicação para o SUS. Gustavo Venturi, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, abordará a relação entre sociologia e saúde. Carlos Vogt, do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Unicamp encerrará o evento com uma relação entre a popularidade do futebol e os esforços para popularização da ciência, abordagem que fez bastante sucesso em sua participação na Empírika.

 

Tanto o seminário do dia 13 quanto o workshop do dia 14 são organizados pelo Labjor em parceria com o Instituto de Saúde e o Instituto de Investigação em Imunologia do Instituto do Coração (Incor). Os eventos fazem parte do projeto de pesquisa “Percepção Pública da Saúde”, conduzido pelo Labjor e com a participação ativa de seus parceiros. Esse projeto integra o Programa de Pesquisa para o Sistema Único de Saúde (PPSUS), do Ministério da Saúde, que conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).