Nutrition Mexico , México, Friday, May 28 of 2010, 12:52

Bactérias produzem gás metano

O processo de degradação dos resíduos é iniciado por um grupo de bacilos que posteriormente soma-se a microorganismos Arquea para produzir o metano

Agencia ID/DICYT Em muitos lares das grandes cidades é quase indispensável o uso de gás para realizar atividades cotidianas. Do mesmo modo, a produção de resíduos que produzem contaminação, assim como seu eventual depósito, é comum às zonas urbanas. No entanto, nos últimos anos a nível mundial têm-se pesquisado que a partir de resíduos pode-se obter gás metano, e dessa forma estabelecer uma alternativa ao uso de gás doméstico.

 

A fim de determinar com exatidão os organismos que participam na formação do metano, assim como sua função específica, o Centro de Investigação e Estudos Avançados (Cinvestav), Unidade Irapuato, procedeu à caracterização das bactérias produtoras de metano (hidrocarboneto).

 

Assim, foi possível observar que o processo de degradação dos resíduos é iniciado por um grupo de bacilos, que consomem dejetos da indústria alimentícia, das feiras, das curtidoras (onde se trabalham as peles) e dos estercos. Posteriormente, somam-se ao processo os microorganismos da classe Arquea (Archaea), responsáveis pela produção do metano.

 

De acordo com o doutor Víctor Olalde Portugal, chefe da pesquisa, depois de obter o metano dos diversos resíduos, destina-se as sobras para adubar o campo enriquecendo, dessa maneira, os solos de uso agrícola ou florestal.

 

No caso dos estercos de vaca, uma vez obtido o metano, os lodos restantes são convertidos em composta e aplicados na produção de pasto e outras gramíneas (plantas).

 

Com esta proposta, serão obtidos diferentes consórcios microbianos eficientes na geração de metano, a partir de distintos tipos de resíduos orgânicos, pois foram estudados vários microorganismos capazes de produzir maior quantidade de gás.

 

No momento, trabalha-se com uma coleção de microorganismos que aceleram o processo e produzem mais metano a partir de esterco de vaca, resíduos de curtidoras de couro e da indústria de laticínios.

Esta etapa da pesquisa é realizada em colaboração com o Instituto de Ciências Agrícolas da Universidade de Guanajuato e do Instituto Tecnológico de Celaya.

 

Com esta proposta do Cinvestav será possível reduzir problemas de contaminação, gases de efeito estufa, gastos insustentáveis de energia e contar com uma fonte alternativa para produzir energia.

De acordo com o especialista, uma vez obtido o gás metano, poder-se-á utilizá-lo como o convencional em aquecedores de água, “de fato, já existem casas que o utilizam ao invés de comprar cilindros de gás derivado do petróleo”.

 

Em fazendas nas quais se cria gado bovino, os resíduos de esterco são levados a um digestor (contêiner fechado hermeticamente, dentro do qual são depositadas matérias orgânicas para fermentação) que produz gás, o qual se utiliza na geração de energia elétrica.

 

Esta pesquisa contou com o apoio do Conselho de Ciência e Tecnologia do Estado de Guanajuato, ademais da colaboração dos doutores José Luis Navarrete, Eloy Conde Barajas, José Enrique Botello e Marcela Cárdenas, do Instituto Tecnológico Celaya; e dos pesquisadores Juan Frías, Ernesto Camarena e do mestre Vicente Alvarez, da Universidade de Guanajuato.

 

O objetivo final desta proposta é obter sistemas otimizados de produção de metano e empregar o gás obtido dos resíduos dos digestores como adubo na agricultura.