Technology Spain , Valladolid, Friday, September 10 of 2010, 17:19

Físicos da Universidade de Valladolid pesquisam novos catalisadores nanométricos

Trabalham, por exemplo, com aglomerados de ouro para oxidar o monóxido de carbono

Cristina G. Pedraz/DICYT O Grupo de Propriedades Nanométricas da Matéria da Universidade de Valladolid, localizado no Departamento de Física Teórica, Atômica e Ótica da Faculdade de Ciências, pesquisa novos catalisadores (substâncias capazes de alterar a velocidade de uma reação química) a nível nanométrico. Um dos elementos com os que o grupo trabalha são os aglomerados ou clusters de ouro, isto é, um grupo de átomos de ouro cujas propriedades diferem das do metal a nível macroscópico e que podem ser aproveitadas em diversos processos industriais.

 

Carlos Balbás, coordenador da equipe de cientistas, destacou em declarações à DiCYT que o ouro, apesar de ser um metal nobre (que não reage ou se mistura com outros compostos), quando em escala nanométrica comporta-se de forma diferente. Assim, quando se junta com outros compostos é muito reativo e capaz de originar reações “que de outra maneira seriam muito difíceis de conseguir”.

 

Por exemplo, oxidar o monóxido de carbono (CO), um gás contaminante que é produzido a partir da combustão de substâncias como o petróleo. Segundo o especialista, esta reação se produz habitualmente com partículas de paládio o ródio enquanto o ouro “é uma interessante alternativa”. No entanto, o grupo começou a pesquisar outro catalisador, o ródio. “Uma das substâncias mais perigosas é o óxido de nitrogênio liberado do escapamento dos carros e o ródio é muito mais útil para reduzir e manejar compostos de nitrogênio, apesar de esta ser uma linha de pesquisa na qual ainda falta muito por fazer”, frisa.

 

O grupo tem como objetivo a adsorção (processo através do qual são retidas na superfície de um material átomos, íons ou moléculas) e a dissociação (separação em moléculas menores de complexos, moléculas ou sais) de oxigênio, água, óxido de nitrogênio e monóxido de carbono em clusters de metais de transição puros, dopados livres ou presentes em óxidos metálicos. A dopagem consiste em agregar um metal de transição com o objetivo de modificar suas propriedades elétricas.

 

Linhas de pesquisa e potencial de aplicação

 

Além da linha de pesquisa sobre nanomagnetismo, o Grupo de Propriedades Nanométricas da Matéria trabalha em campos como o dos líquidos metálicos, materiais nano-ensamblados ou catálises. Estas linhas possuem potencial aplicação na eletrônica molecular, ligas de metais líquidos na metalurgia e em reatores de fusão, novos catalisadores nanométricos (para a eliminação do óxido de nitrogênio na combustão de hidrocarbonetos em automóveis, por exemplo) ou em materiais optoeletrônicos para tecnologia ambiental. A equipe é formada por sete pesquisadores fixos e pessoal temporário.

 

Aglomerados, uma nova fase da matéria

 

Os aglomerados são coleções de átomos ou moléculas fracamente ligados, de maneira que sua estrutura pode mudar facilmente. Estes compostos podem apresentar propriedades muito diferentes das do material macroscópico e por isso diz-se que constituem uma nova fase da matéria que não é sólida, líquida ou gasosa. Assim, podem ser utilizados na criação de novos materiais nanométricos.