Science Spain , Valladolid, Thursday, January 26 of 2012, 15:09

“Universidade de Valladolid é pioneira na qualidade e internacionalização da pesquisa matemática”

Catedrático de Álgebra e presidente da Real Sociedade Matemática Espanhola, Antonio Campillo, destaca o bom momento da matemática em Valladolid

Cristina G. Pedraz/DICYT A recente criação do Instituto de Investigação Matemática da Universidade de Valladolid (IMUVA), com mais de 80 membros, e a divulgação da área de Matemática da instituição acadêmica no denominado Ranking de Shangai, a lista das melhores 100 universidades em diversas áreas (Matemática, Física, Química, Ciências da Computação e Economia/Negócios) dentre as mais de 17.000 existentes no mundo, demonstram o bom momento que vive esta Ciência na Universidade de Valladolid. O catedrático de Álgebra e presidente da Real Sociedade Matemática Espanhola (RSME), além de professor da Universidade de Valladolid, Antonio Campillo, considera que o momento atual é fruto de uma trajetória “pioneira”. Freqüência.

 

“A Universidade de Valladolid presta na Matemática, junto com outras tantas universidades espanholas, um dos melhores serviços em todos os contextos”, destaca Campillo, que agrega que desde a criação da seção nos anos 70 é também “pioneira na qualidade e internacionalização da pesquisa matemática”.

 

Sobre a docência, enfatiza que também desde quando se criou a Seção “é de muita qualidade e reconhecida”, algo que se manteve “apesar da redução do número de alunos nos últimos anos”. Segundo o catedrático, esta situação é “incompreensível”, considerando que Castela e Leão “é uma comunidade autônoma na qual o aprendizado de matemática no ensino médio é mais valorizado do que em outros lugares”.

 

De volta ao campo da pesquisa, Campillo ressalta as “boas condições” oferecidas aos docentes dedicados a este na Universidade de Valladolid, comparável com sua opinião nesta área “a outras universidades espanholas e internacionais, inclusive de primeiro nível”.

 

Contribuição social através da pesquisa

 

Na mesma linha, o presidente da RSME assegura que a criação do IMUVA representou um novo “impulso” à pesquisa matemática na Universidade de Valladolid. “O instituto começou muito bem. Primeiro reuniu todas as pessoas que pesquisam matemática com bom nível interessadas em fazer parte dele, e o número de membros do primeiro Conselho superou 80, cifra muito alta, já que é possível considerar que um centro com 100-120 pessoas qualificadas já é um grande instituto, comparável internacionalmente”, afirma.

 

Em sua opinião, o próximo passo será definir “temas específicos e únicos de Valladolid para seu impulso”, aqueles que ademais “tenham uma clara vocação de contribuição social através de pesquisa de ponta e um caráter interdisciplinar, sem esquecer nosso componente “genético” na pesquisa matemática fundamental”. Desse modo, Campillo se mostra confiante de que com todos os membros do instituto “será realizada uma atividade significativa no contexto da matemática espanhola e européia, além de tratar temas condizentes com as necessidades da comunidade”.

 

Finalmente, o matemático destaca as primeiras atividades de divulgação organizadas pelo Imuva durante a última Semana da Ciência, concretamente a mesa redonda sobre a inserção laboral de pessoas formadas. “A principal conclusão é que o número de estudantes de matemática e pessoas formadas é escasso para as possibilidades profissionais existentes, inclusive em momentos de crise”. Neste sentido, no futuro a principal preocupação encontra-se no potencial humano. Como medida importante para tentar paliar este problema, Campillo propõe a proteção da pesquisa pós-doutoral. “Nela estão nossos próximos professores, pesquisadores e especialistas nas aplicações da matemática”, conclui.