Ciencia España , Zamora, Viernes, 05 de abril de 2013 a las 13:24

Tipo de exploração pecuária influi no leite de ovelha

Escola Politécnica de Zamora, da Universidade de Salamanca, analisa a qualidade nutricional do leite de ovelha dentro de um amplo projeto de pesquisa nacional

José Pichel Andrés/DICYT A Universidade de Salamanca participa de um projeto de pesquisa nacional que analisa as vantagens e inconvenientes  de diversos tipos de explorações pecuárias de ovino das raças churra e Assaf. A comparação entre as explorações intensivas, semi-intensivas e ecológicas oferece mudanças em muitos aspectos, dentre eles, na composição do leite do ponto de vista nutricional.

 

Do projeto global participam também a Universidade de León e vários centros de Navarra, País Vasco e Andaluzia. Cada grupo de pesquisa aporta uma visão diferente das explorações ganadeiras, por exemplo, alguns estudos focam-se em aspectos econômicos e sociais, enquanto outros buscam as implicações ambientais ou alimentares.

 

O trabalho da Universidade de Salamanca tem duas vertentes. Por um lado, a equipe de Carlos Palacios, professor da Faculdade de Ciências Agrárias e Ambientais de Salamanca, pesquisa os aspectos ambientais; por outro, o grupo de Isabel Revilla, pesquisadora da área de Tecnologia de Alimentos da Escola Politécnica de Zamora, estuda a qualidade do leite.

 

“No nosso âmbito de trabalho analisamos a quantidade de gorduras, proteínas, vitaminas, ácidos graxos e outros componentes do leite”, explica a DiCYT Isabel Revilla. Após coletar as amostras, os pesquisadores se dispõem a iniciar a fase de análise dos resultados, ainda que já tenham alguns indícios que indicam diferenças entre cada uma das formas de gestão de um rebanho de ovelhas.

 

Basicamente, a pesquisa é realizada em três tipos de explorações: intensiva, com os animais no estábulo e comendo ração; semi-intensiva, que combina a estadia em estábulo com a saída ao campo e, portanto, uma dupla alimentação; e extensiva ou ecológica, que se baseia na ingestão de pasto no campo.

 

Esta comparação foi estabelecida entre Castela e Leão, mas em algumas comunidades o estudo foi mais reduzido, porque não existem os três tipos de exploração devido às características sócio-econômica de cada lugar. Especificamente, a Escola Politécnica de Zamora realizou um acompanhamento em 20 explorações de todos os tipos.

 

Composição do leite

 

Ainda que os resultados não sejam definitivos, os cientistas já têm alguns dados sobre a composição básica do leite em cada caso. Uma questão de destaque é a quantidade de células somáticas que passam da mama ao leite. As células somáticas servem de defesa à glândula mamaria contra organismos patógenos, basicamente, são glóbulos brancos que reagem diante da presença de bactérias. “Somente é um indicador que não influi na qualidade do leite, mas se está muito elevado, indicam que talvez exista um problema no úbere do qual se defende o sistema imunológico. O leite de explorações semi-extensivas é o que mais células somáticas apresenta, enquanto a procedente de pecuárias extensivas é o que apresenta menos.

 

Por outro lado, nas explorações ecológicas se detecta um maior conteúdo de gorduras. Este aspecto é positivo para o pecuarista, já que as gorduras permitem elaborar os queijos, destino final de quase todo o leite de ovelha. Um aspecto importante é que a maioria destes parâmetros nutricionais registram flutuações significativas ao longo do ano. Isso é, os dados variam em função da época, porque a alimentação e as circunstâncias são diferentes.

 

As conclusões finais deste amplo trabalho ainda levarão um tempo para se concretizar, já que este projeto nacional conta com profissionais de diversas disciplinas para analisar a rentabilidade e idoneidade das diversas formas de exploração em seu conjunto, tanto no terreno econômico, quanto no ambiental ou nutricional.